Demência pode ser evitada se acontecer o controle de doenças crônicas

Demência pode ser evitada se acontecer o controle de doenças crônicas

Pesquisa realizada na USP mostrou que 35% da amostra eram associados a episódios de derrames causados por doenças que poderiam ser tratadas, como é o caso da hipertensão.

Um terço dos casos de demência diagnosticados no Brasil poderia ser evitado com o controle de doenças crônicas como hipertensão e obesidade. É o que indica um estudo realizado por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, depois da análise de 1.092 cérebros de pacientes com mais de 50 anos mortos na capital.

Primeiramente, os especialistas verificaram com familiares quantos dos pacientes tinham sintomas e diagnóstico de demência, chegando a 480. Ao analisar o tecido cerebral dessas pessoas, os pesquisadores descobriram que em 50% dos casos a doença era causada pelo mal de Alzheimer, mas que em outros 35% a demência era do tipo vascular, ou seja, associada a episódios de derrames geralmente causados por doenças evitáveis, como a hipertensão.

– A demência vascular pode ocorrer após um derrame grande, mas também acontece após repetidos episódios de pequenos derrames cerebrais, que muitas vezes não têm nenhum grande sintoma e podem passar despercebidos. Na maioria dos casos, esses derrames podem ser prevenidos com uma boa saúde vascular, ou seja, controlando a hipertensão, não fumando, praticando atividades físicas – explica Claudia Suemoto, professora da disciplina de geriatria da FMUSP e uma das autoras do estudo, publicado no periódico Plos Medicine.

 

O que chamou a atenção dos pesquisadores foi que a proporção de demência do tipo vascular é maior no Brasil do que em outros países.

– Estudos internacionais feitos principalmente nos Estados Unidos e na Europa mostram que a demência vascular corresponde a 20% dos casos nessas populações, o que indica que, no Brasil, as falhas na assistência à saúde podem deixar a população mais suscetível a esse tipo de demência que poderia ser evitada – diz.

O estudo descobriu ainda que, dos 612 pacientes que não tinham sintomas de demência, 25% apresentaram, nos exames de imagem, lesões cerebrais indicativas do problema.

– Pode ser que a doença estivesse na fase pré-clínica (sem sintomas) ou que os familiares achassem que os sintomas eram comuns da velhice – diz Claudia.

Esquecimentos

Com hipertensão, sobrepeso e pré-diabete, Gilda Quartim Barbosa, de 88 anos, teve a demência diagnosticada há quatro anos. Além da causa vascular, o problema foi agravado pelo mal de Alzheimer, detectado na mesma época.

–Ela sempre foi esquecida, trocava o nome das duas filhas, então só notamos quando ficou mais intenso. Nunca tivemos coragem de contar. Ela morria de medo de ter algo assim porque a irmã dela teve o mesmo diagnóstico – relata a filha Maria de Lourdes Quartim Gotilla, advogada de 60 anos.

Mesmo morando com uma empregada e um cuidador, Gilda começou a se perder dentro de casa e a ligar pedindo ajuda para a filha, que a buscava, levava para dar uma volta no quarteirão e a trazia de volta para a residência.

– Só depois desse ritual, ela percebia que estava mesmo no apartamento dela – diz.

Atualmente, a idosa está com um diagnóstico de demência de moderada para avançada, de acordo com a geriatra Elaine Biffi Alonso Vera, médica da unidade Butantã do Lar Sant’Ana, onde Gilda passou a morar, na zona oeste de São Paulo.

– A doença é degenerativa, então o avanço é inevitável. Mas ela está muito bem, até menos agitada do que quando chegou. Entende alguns pedidos, mantém pequenas conversas – explica a médica, que também aponta a participação da idosa em atividades como a pintura e encontros semanais com crianças de uma creche da região.

– É uma doença muito ruim para os familiares. Mas, quando a visito, veja que ela está feliz. Ela sempre foi muito carinhosa, mas agora se tornou puro amor, abana e manda beijo para todo mundo –, relata a filha, que vê na atual vida da mãe quase uma lição de como a alegria pode estar nas pequenas coisas.

Fonte: GaúchaZH

Conheça alguns médicos especialistas da área:
Alzheimer, Alzheimer, Dicas, Neurologia

Dr. Saul Cypel
Neurologia atende em SP Dr. Saul Cypel - RQE: www.clinicacypel.com.br Consulta
Dra. Marcela Cypel
Oftalmologia atende em SP Dra. Marcela Cypel - RQE: www.clinicacypel.com.br Consulta
  • Veja também


Descolamento da retina: Como diagnosticar e tratar?

O descolamento da retina é um grave problema e precisa de cuidados médicos de forma urgente. Quando essa fatalidade...

Quais são os sintomas do HIV?

Os sintomas do contágio do HIV são complicados de serem conhecidos, por serem bastante comuns de outras doenças, a...

Dores de cabeça e Tratamentos

As dores de cabeça afligem a todos, mas os tipos dessa dor nem sempre são iguais. A razão disso...

Quais são os sintomas da Gripe H1N1?

Os sintomas que a gripe H1N1 apresentam estão muito próximos aos que a gripe comum possui. Seu surgimento acontece inesperadamente...

As Doenças que a Acupuntura trata

A acupuntura é uma forma de tratamento terapêutica que tem a China como o seu berço. A técnica prevê...

O que é o Astigmatismo? Sintomas, Causas e Tratamento

Astigmatismo é o defeito óptico resultante de uma curvatura desigual ger. da córnea e mais raramente do cristalino ou...

O que é uma Cesárea?

A cesárea é um tipo de parto que consiste essencialmente de um corte no abdômen e outro no útero...

TDAH – Déficit de Atenção e Hiperatividade: Doença atinge inúmeras crianças

O TDAH –  transtorno do déficit de atenção e hiperatividade tem como característica a presença de sintomas como desatenção, hiperatividade e...

Tafenoquine: Medicamento que trata Malária em apenas uma dose

Doença atinge 8,5 milhões de pessoas ao ano. O medicamento Tafenoquine recebeu autorização dos Estados Unidos, agora outros países...

HIV e DST’s crescem no Brasil

O Ministério da Saúde mostra em recente levantamento o crescimento das DST’s e do HIV, os jovens são os...

Author: Redação

Share This Post On
468 ad