Doença feminina causa dor “10 vezes pior que o parto”

Doença feminina causa dor “10 vezes pior que o parto”

A adenomiose é uma doença que se dá quando as células de revestimento do útero (endométrio) se incrustram nas fibras musculares da parede uterina. De acordo com a OMS – Organização Mundial da Saúde, a cada 10 mulheres, uma pode ter adenomiose, mesmo que elas não saibam. Os sintomas quando aparecem causam forte dor pélvica e menstruação abundante, atualmente não existe forma de prevenção.

As britânicas Zélie, Lisa e Jennifer têm adenomiose, um transtorno ginecológico que, no pior dos cenários, provoca uma forte dor pélvica e sangramento abundante.

“Eu não podia usar nada além de calças pretas no trabalho”, conta Jennifer.

“E ainda assim eu sangrava tanto que tinha que voltar para casa e mudar de roupa na metade do dia. Já sangrei diversas vezes no sofá de amigos. Sofri dessa doença por anos.” Jennifer precisou passar por uma histerectomia – cirurgia para retirar o útero total ou parcialmente

Sintomas mais comuns

Os dois sintomas mais comuns da adenomiose são menstruação abundante e dolorosa e forte dor pélvica. “Uma vez senti tanta dor que tive de chamar a ambulância”, explica Zélie. “Quando me vieram, pensaram que eu deveria ter apendicite. Eu falei que tinha adenomiose, mas eles não sabiam o que era isso.”

“Toda vez que eu tive de ir ao hospital e precisei responder qual era o nível da dor, eu sempre disse a mesma coisa: é dez vezes pior que o parto”, completa Zélie.

“A dor era tão forte que às vezes eu tinha pensamentos suicidas”, relata Lisa. “É impossível ignorar a dor, ela afeta todas as facetas de sua vida. Eu precisava planejar cada saída (de casa) como se fossem operações militares”.

Dificuldade de diagnóstico e opções de tratamento

Muitas mulheres levam anos até serem diagnosticadas com adenomiose, já que é possível confundir a doença com outras enfermidades pélvicas. A adenomiose pode ser detectada em uma ultrassonografia transvaginal ou ressonância magnética. A pílula anticoncepcional ou injeções hormonais são alguns dos tratamentos que podem ser efetivos.

Mas, para algumas mulheres, a única solução é a histerectomia, uma cirurgia para retirar o útero total ou parcialmente. Foi o que fez Jennifer.

“Estou vivendo minha vida como nunca antes. Posso correr com meus filhos no parque, fazer coisas que antes eu não podia”, relata. “Apesar de não ter útero, me sinto mais mulher que nunca”.

Zélie, Lisa e Jennifer dizem que é muito importante apoiar outras mulheres que estão passando pela mesma situação. “É uma doença que pode fazer você se sentir completamente isolada. Por isso, é muito importante criar grupos de apoio no Facebook e conversar com outras mulheres que também estão sofrendo”, diz Lisa. “Graças a essa rede de apoio, não me sinto sozinha”.

Fonte: G1

Conheça alguns médicos especialistas da área:
Destaques, Dicas, Ginecologia e Obstetrícia, Notícias, NOTÍCIAS

Ginecologia e Obstetrícia atende em SP Dra. Renata Zito - RQE: Consulta
Ginecologia e Obstetrícia atende em SP Dr. Paulo Noronha - RQE: www.paulonoronha.com.br Consulta
  • Veja também


Disforia pós-sexo: Problema causa tristeza após o orgasmo

O que deveria ser apenas o puro prazer acabou se tornando em tristeza. A disforia pó-sexo faz com que...

Bactérias se desenvolvem em próteses de crânio

As próteses de crânio são usadas para substituir partes do mesmo que precisaram ser retiradas. As bactérias encontradas foram...

Esporão, o que é e como surge?

A fasceite plantar ou fascite plantar é uma doença que atinge tecidos que fazem parte da sola do pé...

Dores nos Pés: Um sintoma preocupante

As dores nos pés atingem muitas pessoas no cotidiano. Os graus de dor são diferentes de indivíduo para indivíduo,...

Febre Maculosa: Doença transmitida por carrapatos matou 17 pessoas nesse ano

Ministério da Saúde mostra que no passado as mortes chegaram a 58. Dessa forma em estimativa não aconteceu aumento,...

A Tuberculose coloca toda América do Sul em alerta

Em busca de sanar com a tuberculose, doença que mata inúmeras pessoas por toda a América do Sul está...

Estudos apontam Jogos Lúdicos como peças primordiais as crianças

Os Jogos Lúdicos são atividades desenvolvidas que contribuem para o aprendizado das crianças, principalmente as que estão nos primeiros...

Estudos de terapia experimental curou paciente do Câncer de Mama

Hoje você vai conhecer a história de uma americana que passou por um autotransplante de linfócitos e que seu...

Descoberta possibilidade para tratamento do Câncer de Pâncreas

Pesquisadores espanhóis provam com sucesso em cobaias (ratos) que existe é possível inibir umas das proteínas que mais alimenta...

Miopia cresce entre os jovens

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a chamada “alta miopia” disparou nos últimos anos.   Há 20...

Author: Redação

Share This Post On
468 ad