Saiba o que são arritmias cardíacas e aprenda como tratá-las

Portal de saúde sobre as principais especialidades da medicina.

Saiba o que são arritmias cardíacas e aprenda como tratá-las

Palpitações são mais comuns em pessoas com problemas do coração

O bombeamento do coração acontece por estímulos elétricos, através de um grupo de células especiais com habilidade de gerar atividade elétrica por conta própria. Este estímulo é um impulso que se origina numa área do coraçãochamada nó sinusal, que é o marcapasso natural do coração e que funciona como um gerador de energia elétrica fazendo o órgão bater de 60 a 100 vezes por minuto. Quando, porém, ocorre um curto-circuito e o coração perde o compasso deixando de se contrair e relaxar com a mesma precisão, chamamos de arritmia.

Esta é uma desordem que não tem idade para se manifestar. Popularmente conhecidas como palpitações, nem todas as arritmias são nocivas a ponto de levar o coração à falência. Existem alterações que aceleram a frequência cardíaca, as taquicardias, e as que, ao contrário, retardam essa marcha, as bradicardias. Entretanto, é importante lembrar que uma reação natural de qualquer coração, saudável ou refém de problemas, é mudar o ritmo de batimentos para se adaptar a uma situação.

Normalmente, o músculo trabalha mais devagar enquanto dormimos e acelera quando exercemos algum esforço físico. Só que, ao longo do dia, ele tende a acertar e manter seu compasso ideal. Está aí a diferença para a arritmia. Na sua presença, o órgão tropeçará em batidas atrapalhadas.

Em geral as arritmias são mais comuns em pessoas com problemas cardíacos como doença valvular, doença no músculo do coração (miocardiopatia) ou doença nas artérias coronárias (vasos sanguíneos que levam sangue arterial com oxigênio e nutrientes ao coração). Entretanto, muitas arritmias ocorrem em pessoas com corações absolutamente normais. “Nem toda arritmia é sentida ou causa palpitação, sendo que algumas vezes são absolutamente assintomáticas”, afirma o cardiologista e arritmologista do Hospital SOS Cardio, Helcio Garcia Nascimento.

Este é um dos grandes perigos das arritmias cardíacas. “Pessoas saudáveis, inclusive atletas, podem ter doenças cardíacas e arritmias silenciosas que costumam não interferir nas atividades do dia a dia, mas podem ameaçar a vida”, explica o cardiologista Martino Martinelli. E isso acontece porque, além de assintomáticas, as arritmias podem não ser diagnosticadas nos exames de rotina. Estas palpitações, muitas vezes, são precipitadas por fatores externos estimulantes como cafeína, bebidas alcoólicas, estresse, cigarro ou drogas.

De acordo com Helcio, de 40 a 50% das pessoas que morrem repentinamente são em decorrência de uma doença não identificada em exames de rotina. Dentre as cardiopatias assintomáticas mais comuns está a aterosclerose. “É importante também salientar que nem todas as pessoas que tem problemas cardíacos terão arritmia ou correm risco de morte súbita”, diz. A maioria das pessoas que tem problemas cardíacos não morre subitamente por arritmias fatais. “Mas, dos que morrem subitamente, pelo menos 40% são portadores de problemas cardíacos, já diagnosticados ou não”, explica.

Arritmias de causa isquêmica (causadas por infarto ou sequelas dele) são potencialmente graves e mais frequentes. “Estas formas de arritmias podem ser diagnosticadas por exames cardiológicos relativamente simples”, diz Helcio.

Conheça alguns métodos terapêuticos que permitem recuperar o ritmo do coração:

•Marcapasso: o aparelho, implantado através de cirurgia, é indicado aos portadores de bradicardia. O dispositivo consegue assegurar que, independente da situação, o batimento cardíaco não diminua a ponto de fazer o órgão parar.

•Desfibrilador: também conectado ao coração cirurgicamente, é indicado para casos de taquicardia. Quando o aparelho detecta que o ritmo desanda, ele emite choques para corrigir o erro e evitar uma possível parada cardíaca.

•Ablação por catéter: o método também é indicado aos corações que, de uma hora para outra, passam a bater rápido demais. Um cateter introduzido pela virilha é encaminhado até o músculo cardíaco para localizar o local do órgão em que existe o curto-circuito. Esta região é cauterizada, eliminando a raiz do problema. Sem uma falha no meio do percurso elétrico, a rede volta a funcionar perfeitamente e o coração volta a bater no ritmo certo.

Fonte: Minha Vida

Conheça alguns médicos especialistas da área:
Coração

  • Veja também


Angioplastia, quando fazer?

O QUE É ANGIOPLASTIA E COLOCAÇÃO DE STENT? As artérias que fornecem sangue para sua cabeça, coração, rins e...

Marca-passo para o Coração

Marca-passo: tudo sobre a cirurgia e a vida com o aparelho A pessoa pode ter alta no mesmo dia...

Insuficiência Cardíaca

Insuficiência cardíaca: sintomas, tratamentos e causas   O que é Insuficiência cardíaca? A insuficiência cardíaca, também chamada de insuficiência cardíaca...

Aterosclerose em crianças

A aterosclerose é o endurecimento de um vaso sanguíneo produzido por um acúmulo de placa. A placa é composta...

Aterosclerose na infância e adolescência

Fatores de risco no desenvolvimento da aterosclerose na infância e adolescência As doenças cardiovasculares (DCV) constituem uma importante causa...

Tudo sobre Colesterol

Colesterol: sintomas, tratamentos e causas   O que é Colesterol? O colesterol é um tipo de gordura encontrada em nosso organismo...

Rugas na testa X doenças do coração

Rugas na testa podem ser indício de doenças no coração, diz estudo A relação entre doenças cardiovasculares e rugas...

Tipos de colesterol

Tipos de Colesterol e Valores de referência O colesterol é um tipo de gordura que é fundamental para o...

Gengibre pode ser prejudicial para pessoas doentes

O gengibre é de origem asiática, a mesma ajuda em muitos fatores para a saúde, mas também pode prejudicar...

Pesquisa aponta que o Frio aumenta em 30% problemas cardíacos como o Infarto e outros males

Baixas temperaturas tem grande impacto no corpo humano. Sendo assim, pessoas que não possuem hábitos saudáveis estão propícias a...

Author: Redação

Share This Post On
468 ad