Frio em níveis altos aumentam risco de AVC

Frio em níveis altos aumentam risco de AVC

Entre 2002 e 2011 aconteceram 55.633 mortes em São Paulo e a coencidêncoa desses óbitos é que a maior parte foi em dias de muito frio.

Além de provocar o já conhecido aumento de doenças respiratórias, as baixas temperaturas estão associadas também a um crescimento do risco de acidente vascular cerebral (AVC).

É o que revela um novo estudo, publicado no International Journal of Biometeorology no fim de maio, que investigou as condições climáticas em torno de 55.633 mortes por AVC na cidade de São Paulo entre os anos de 2002 e 2011. O trabalho, realizado pela geógrafa Priscilla Ikefuti durante seu doutorado no Departamento de Geografia da USP, com financiamento da Fapesp, observou que em uma faixa considerada de conforto térmico – entre 17°C e 24°C – estão as menores ocorrências de morte por AVC. Se a temperatura cai ou sobe, o risco piora. E essa variação nem precisa ser muito extrema.

Valores já abaixo de 15°C começam a ser significativos para o aumento dos casos de derrame. Para o AVC hemorrágico, o tipo mais fatal, o risco é de 2,43 vezes maior em homens de todas as faixas etárias quando a temperatura fica abaixo de 10°C.

Em mulheres, o risco de AVC hemorrágico nessa temperatura é de 1,39. Mas naquelas com mais de 65 anos o risco é quase 2 vezes maior. Na outra ponta, com temperaturas acima de 26°C, o risco de derrame (em geral) para homem acima de 65 anos aumenta 2,12 vezes.

“Uma pessoa não vai ter AVC só porque está frio, mas a baixa temperatura pode acelerar o processo em quem já tem fatores de risco, como pressão alta, tabagismo, diabetes. Pessoas assim precisam ter cuidado e não se exporem”, explica Priscilla.

Mulheres. Os casos de AVC foram mais frequentes em mulheres – cerca de 2 mil mortes a mais no período estudado. Segundo o médico Alfésio Braga, pesquisador do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina da USP e coorientador do trabalho, em geral as mulheres são mais afetadas por doenças cardiovasculares.

Ele explica que o risco, para os dois sexos, se dá porque o frio normalmente muda as características do sangue. “Baixas temperaturas causam maior viscosidade do sangue, maior processo inflamatório, mais lesão de parede. Essas alterações levam à sobrecarga do coração para poder manter fluxo e pressão. E o aumento da pressão em uma pessoa mais idosa, já com fragilidade da parede do vaso, pode levar à ruptura e a um AVC hemorrágico”, diz. “É uma série de eventos que tanto homens quanto mulheres sofrem. Mas sem proteção hormonal pós-menopausa, elas têm manifestação mais exuberante.”

A prevenção, afirma Braga, é manter o conforto térmico. “O que mais preocupa são as pessoas em situação de rua, ou idosos que estão em casa, mas em situação de abandono e não conseguem se proteger.”

Fonte: Estadão

Conheça alguns médicos especialistas da área:
Destaques, Dicas, Neurologia

Dr. Saul Cypel
Neurologia atende em SP Dr. Saul Cypel - RQE: www.clinicacypel.com.br Consulta
Dra. Marcela Cypel
Oftalmologia atende em SP Dra. Marcela Cypel - RQE: www.clinicacypel.com.br Consulta
  • Veja também


Obesidade cresce junto da população brasileira

A obesidade já é uma realidade para 18,9% dos brasileiros. Já o sobrepeso atinge mais da metade da população...

Vacinação contra a pólio começa em 6 de agosto

Em meio ao aumento de casos de poliomielite identificados na Venezuela, o Ministério da Saúde informou que a campanha...

Gengibre pode ser prejudicial para pessoas doentes

O gengibre é de origem asiática, a mesma ajuda em muitos fatores para a saúde, mas também pode prejudicar...

O teste de Q.I. faz realmente sentido em levar em conta seus resultados?

O teste de Q. I. por muitas vezes é levado em conta sobre os níveis de inteligência de uma...

Emotion Park: Diversão, Atividade Física e Saúde

Carlos do Amaral Um grande espaço dentro do Anime Friends tinha uma estrutura com cesta de basquete, traves como...

Swordplay como condutor de Saúde

Carlos do Amaral Um homem de cada lado com uma espada e um juiz os separando. A luta começa...

Neurônios fortes deixam de existir com o alto consumo regular de álcool

Com o alto consumo de álcool, os neurônios têm sua reprodução afetada, pois o corpo precisa se adequar frente...

“Isso aqui me fez sair da depressão”, conta expositora no Anime Friends

Carlos do Amaral Quatro dias foi o período em que o Anime Friends agitou toda a capital paulista. Muitas...

Cientistas mostram como os neurônios fazem a sinapse

Após longos períodos de pesquisa, cientistas tiveram êxito em mostrar como acontecer as sinapses. Antes do que foi feito...

“Consigo trazer as pessoas muita alegria e felicidade com meu trabalho”

Carlos do Amaral Quando participamos de eventos como o Anime Friends é sem dúvida especial. Muitos universos se colidem...

Author: Redação

Share This Post On
468 ad